O cearense Artur Silva e a paulista Júlia Santos são os campeões brasileiros de surf profissional 2019. Os dois garantiram as conquistas no HD apresenta Surf Trip CBSurf Pro Tour, terceira e última etapa do Circuito da Confederação Brasileira de Surf, encerrada no último domingo (8) na praia Grande de Ubatuba, litoral norte de SP.

Os vencedores da etapa foram o pernambucano radicado no Rio de Janeiro, Douglas Silva, e a paranaense Jéssica Bianca. Com ondas pequenas, a competição chegou a ser interrompida por mais de duas horas para que as condições melhorassem e as decisões foram recheadas de emoção.

No Masculino, Artur comemorou o título da areia, depois que o catarinense Luan Wood perdeu na semifinal. Já entre as mulheres, a disputa foi mais acirrada e definida somente na finalíssima entre Júlia, única atleta a chegar na final das três etapas este ano, e a local Camila Cássia, competindo em casa.

O local da praia do Futuro chegou a Ubatuba em grande vantagem e só precisava avançar uma bateria, mas perdeu em sua estreia, ficando em 17º lugar dando a chance de Luan Wood ser campeão, caso vencesse a etapa.

“Foi tenso demais. Estava ansioso desde cedo. Eu não consegui surfar o que queria, pelas condições do mar, mas estou feliz. É o resultado do trabalho do ano todo e isso foi tudo graças a Deus”, vibrou Artur. “Esse título representa muito. Minha família, meus amigos sabem o quanto eu me dedico. Para o meu estado também foi muito importante e agora levo mais uma conquista para o Ceará”, disse o surfista.

Feminino

A nova campeã brasileira, Júlia Santos, também falou da emoção e alegria de chegar ao primeiro título profissional. “Era um título que eu sonhava desde que comecei a surfar. Não tenho como descrever esse sentimento. Quero agradecer muito a Deus, porque passei por umas situações difíceis, me lesionei, fiquei na dúvida se ia conseguir, e Ele foi tão bom que mudou a data do campeonato e deu tempo para me recuperar”, comemorou a surfista de 21 anos.

“Quero dedicar o título para a minha mãe, que sempre me apoiou, para a toda a minha equipe, principalmente o meu técnico Pedro Souza”, agradeceu a atleta, beijando a tatuagem no braço que tem o nome de sua mãe, Iolanda. “Ela é guerreira”, elogiou. “Eu acreditei até o final, eu sabia que ia ser difícil, por ter a Camila, mas em nenhum momento me intimidei. Sabia que ela só não podia vencer o campeonato. Quando vi que a Jessica tirou um 6, fiquei mais confortável”, contou.

Na disputa pelo título, Tais Almeida, de Saquarema, chegou como líder, mas perdeu logo na estreia, ficando em nono lugar, deixando a disputa para Júlia e Camila Cássia. Na final, surfista de Ubatuba saiu na frente, mas Jessica virou de terceiro para primeiro com uma nota 6,17 e se manteve na ponta até o final.

Camila terminou em segundo e Júlia na sequência, com outra surfista local, Açucena Vaz completando o pódio. “Esse é o meu primeiro ano como profissional, minha primeira vitória. Estava muito confiante nessa etapa, porque eu já morei aqui, surfava muito aqui na Praia Grande e tinha certeza que ia me dar bem. Deu tudo certo”, contou a atleta de 25 anos.