Oi Digital Surf define campeões em Saquarema

Depois de dois meses de competição no ambiente virtual, os dez finalistas escolheram suas ondas decisivas

por Redação Almasurf, 16/05/2018
follow

Terminou em festa a primeira edição do Oi Digital Surf em Saquarema (RJ). Depois de dois meses de competição no ambiente virtual, os dez finalistas escolheram suas ondas decisivas.
 
Durante esse período na Casa Oi Digital, os atletas conviveram juntos e usufruíram de uma infraestrutura profissional, com serviços de nutricionistas, massagistas e preparadores físicos.
 
Uma equipe de filmagem acompanhou os treinos e disponibilizou material para cada surfista fazer suas escolhas. Ao final, os vencedores levaram para casa R$ 10mil e os vice-campeões R$ 5 mil.

“A tecnologia tem transformado o comportamento da sociedade e neste cenário o esporte tem um papel fundamental onde os atletas inspiram as pessoas a mudarem seus estilos de vida”, destaca Marcelo Andrade, presidente do juri.

O campeonato surgiu como uma vitrine para a descoberta de novos talentos, que foram avaliados pelos surfistas brasileiros Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Silvana Lima e Ítalo Ferreira em cinco categorias: Sub 16, Masculino Open, Feminino Open, Surfe Adaptado e Legends.

O evento foi democrático e até mesmo as pessoas que não surfam tiveram a chance de ganhar prêmios apostando nas baterias. Elas faturaram pontos, medalhas e interagiram nos desafios das redes sociais.

Campeões

Sub 16
Cauã Costa (CE – Caucaia)

Da nova geração do surf nordestino, o surfista postou na semifinal duas ondas com um repertório de aéreos 180, rasgadas em velocidade e um surf inovador. Na final, mostrou consistência e segurança em ondas de risco e assegurou a conquista com uma sequência de batidas de backside sobre o local de Saquarema Daniel Templar.
 
“Estou muito feliz de levar esse campeonato virtual e só tenho a agradecer aos que estavam na torcida, a Oi pelo campeonato animal e aos meus patrocinadores”, disse Costa.
 
Open Masculino
Gabriel André (SP - Guarujá)

Competidor do WQS, André tem a difícil manobra Kerrupt Flip como especialidade. No mar pesado de Itaúna, conseguiu vencer o favorito e local de Saquarema Raoni Monteiro numa disputa acirrada.

Gabriel mostrou um surf seguro e seu estilo encantou os juízes, que o apontam como um das promessas da nova geração do Brazilian Storm. “Sonhei com isso, vivi esse momento e agradeço a Deus”, contou André.
 
Surf Adaptado
Johnathan Borba (SC - Itajaí)

Não ter metade de um braço não é problema algum para o bicampeão mundial na categoria Adaptado. Com sua fluidez, arrancou dos juízes notas suficientes para vencer o pernambucano Roberto Pino (nanismo). Escolheu bem as duas ondas que precisava e com uma linha com cutbacks, rasgadas e batidas levou o troféu para casa.
 
“Muita emocionante vencer esse título. Me esforcei para chegar até aqui. Valeu à pena cada momento e hoje divido esse prêmio com meu amigo Roberto Pino”, comentou Borba.
 
Legend
Eric Gonçalves (RJ - Itacoatiara)

Local e tube rider de Itacoatiara, com uma base sólida e acostumado com mares pesados, Eric encaixou uma sequência de rasgadas, batidas e em sua segunda onda - uma esquerda em Itaúna - apresentou seu repertório criativo de manobras.

“Nenhum dinheiro compra esse momento, essa felicidade. Com certeza, os R$10 mil não são mais valiosos do que as amizades feitas e os momentos vividos”, comemorou Eric.
 
Open Feminino
Larissa dos Santos (CE - Fortaleza)

Fã de Silvana Lima, Larissa faz parte da nova geração de surfistas do Ceará. Desde a fase de triagem, apresentou um estilo de surf veloz e com pressão nas manobras. Em Saquarema, surfou em condições muito boas e reforçou sua consistência em tipos diferentes de mar.
 
“Não cabe no peito tanta emoção, estou muito feliz. Foi uma experiência linda aqui em Saquarema, aprendi muito e ainda fiz novos amigos, que levarei para a vida toda”, revelou Santos.