WSL tem comédia de erros no caso do Pipeline Masters

Steven Allain, publisher do Moist, apela para William Shakespeare e faz duras críticas à WSL pela perda da licença do Pipeline Masters.

por Redação Almasurf, 09/02/2018
follow

O jornalista Steven Allain é hoje um cara influente no que um dia já foi mídia especializada.

E em artigo recente do seu site Moist, A Comédia dos Erros, inspirado no texto de William Shakespeare, ele admite ser divertido pegar no pé da Liga Mundial de Surf.

"Fazer graça de suas pataquadas tornou-se quase parte integral da experiência de ser um fã de surf competitivo", escreve o jornalista que evoluiu o surf por longos anos de estudo na Austrália.

Para ele, a entidade superou a capacidade de gerar enganos e ele chega a usar palavras não muito elegantes para definir o caos para imagem do tour: "A perda da licença do Pipe Masters foi a pior cagada em sua história – história essa que já era repleta de cagadas.", detona.

Ele fala da crise entre o prefeito de Honolulu, Kirk Caldwell, e a WSL.

Tudo porque ele negou o pedido da World Surf League para cancelar o Volcom Pipe Pro e promover um novo Pipe Masters entre o fim de janeiro e o início de fevereiro de 2019.

A ideia era finalizar o calendário de 2018 em Pipe e abrir a temporada seguinte no mesmo pico, dando largada a um novo circuito na esquerda mais famosa do arquipélago.

Por outro lado, o Volcom Pipe Pro passaria a acontecer em dezembro, como mais uma prova da tradicional Tríplice Coroa Havaiana.

Acontece que segundo a Prefeitura de Honolulu, a WSL fez a solicitação fora do prazo, 9 de novembro.

Sophie Goldschmidt, chefe da WSL, tentou resolver o imbróglio, partiu para o Hawaii mas deu com a cara na porta, pois simplesmente não foi recebida no gabinete do prefeito.

Numa tentativa de pressionar as autoridades havaianas, Goldschmidt teria afirmado que a WSL não teria escolha senão “anunciar o World Tour 2019 sem inclusão do Hawaii”.

Para Steven Allain, essa atitude da WSL foi pior que entregar o troféu de campeão para o Kelly Slater, quando matematicamente o título ainda não estava decidido há uns anos.

"Foi pior do que a pseudo entrevista do Peter Mel com Medina na Gold Coast, poucos anos atrás. Foi pior, bem pior, do que apagar o comentário do Neymar no Instagram", relata Steven.

Agora, é esperar para ver quem realmente leva a melhor nesta queda de braço, se WSL ou a prefeitura. Uma coisa é certa. Circuito mundial sem uma prova no Hawaii é um golpe duro para os fãs do surf competição.

 

O site australiano Stabmag.com teve acesso a uma carta enviada pelo Prefeito de Honolulu à WSL, em nome de Sophie Goldschmidt. Leia a seguir:

“Prezada Sra. Goldschmidt,

Obrigado pela sua carta datada de 31 de janeiro de 2018, referente às aplicações e ao calendário 2018-2019, no North Shore. Na sua carta, descreve os pedidos de alterações nos seus pedidos de licença.

Eu entendo que você é nova na World Surf League, mas a organização tem feito negócios no Havaí por décadas e seus representantes locais são experientes e experientes em honrar o processo competitivo. Como você sabe, a alta qualidade do surfe no Havaí durante a temporada de inverno é a razão pela qual temos muitas organizações que se candidatam para as mesmas praias no mesmo período de tempo. Como tal, temos um processo para fazer uma seleção que é justa e sistemática, e garantir que todos sejam tratados de forma igual.

Revisei as variações que você está solicitando e não consigo acomodar a WSL.

Kirk Caldwell

Prefeito”

Fonte Moist