Philippe Neves - Atitude de gente grande

A equipe da Almasurf trocou uma ideia com o atleta de 16 anos que bateu de frente com grandes nomes do surf nacional no Paúba Super Tubos

por Lucas Conejero, 15/08/2019
follow

Com apenas 16 anos, o paulistano Philippe Neves bateu de frente com nomes de peso do surf nacional e saiu da praia com o vice-campeonato do Paúba Super Tubos 2019, festival de surf anual organizado pela galera local.

O evento foi vencido pelo bicampeão mundial Gabriel Medina em condições desafiadoras, em uma final da hora com a presença de Heitor Duarte, Fernando Junior e João Pedro.

Radicado em Maresias, Philippe mostrou muita disposição, botando pra dentro de algumas das maiores ondas do dia, em séries que ultrapassaram facilmente a casa de 2 metros, e completou alguns canudos impressionantes.

Trocamos uma ideia com ele e a entrevista você confere abaixo.

AS E aí, Philippe, como foi dividir o pódio com o Medina e correr o Paúba Super Tubos?

PN Rolaram altas ondas e o campeonato foi alucinante. Alto nivel de surf e consegui ficar com o vice no meio de vários profissionais. Competir com Medina, Carlos Bahia. Phil e Igor Moraes foi irado. Na final, consegui achar boas ondas e fiquei com o vice-campeonato.

AS E conta pra gente, como e quando você aprendeu a surfar? Você nasceu em São Paulo, longe do mar…

PN
Aprendi a surfar com quatro anos. Descia com meu pai todo final de semana, ele sempre me incentivou, assim como toda minha família. Depois da primeira vez que fiquei de pé na prancha, só pensava em surfar cada vez mais. Aos 13 anos corri um campeonato, fiz a final e descobri que tinha talento para competir. Do lado de casa, na capital, morava um brother meu, surfista, o Rodrigo Saldanha. Ele tinha um motorista muito gente boa e a gente descia toda terça e quinta para treinar. Foi nessa que meu surf foi evoluindo.

AS E essa mudança para Maresias, como aconteceu?

PN Foi quando a família do Saldanha mudou para Maresias. Perdi meu parceiro de surf e meu pai trabalhava, não tinha como me levar para a praia de dia de semana. Eles perceberam minha dificuldade e me convidaram para morar na casa deles. Agora estou aqui na Maresia, bem perto de ondas muito boas, e consigo surfar todo dia.

AS Da hora! E como está sua preparação, você pensa em ser atleta profissional, certo?

PN Sim, minha preparação é para ser um atleta de alta performance. Pego onda todo dia, tento fazer três quedas por dia. Acordo 5:30h, vou para a água e quando saio do mar e vou correndo para a escola. Na hora do almoço, tento sempre fazer uma queda, assim como no final de tarde. De terça e quinta, faço um treino funcional. Recentemente, consegui uns resultados legais. Além do vice no Paúba Super Tubos, fiquei em quinta na Sub 16 e na Sub 18 do Circuito Brasileiro Amador. Agora, o plano é ir evoluindo, correndo os campeonatos para buscar meu espaço entre os principais surfistas do país.